Destaques

Opinião

Poucas coisas tão ridículas existem como querer dar-se ares de qualquer coisa que não se é, característica típica do novo-riquismo, tão em voga em certos círculos político-autárquicos.

Opinião

Trinta e seis é a constante mágica invocada por Carlos Carreiras sempre que se fala de pessoas sem-abrigo no Concelho.

Cascais

CASCAIS: JANTAR CONVÍVIO, 21 Setembro, 20h

Convidamos todos os/as aderentes e simpatizantes a participar no jantar-convívio, que tem lugar em Carcavelos, no restaurante "Brisa de Mar", localizado junto à sede da antiga Junta de Freguesia de Carcavelos (ver o mapa), a partir das 20h00, com a participação de  JORGE COSTA (deputado do BE eleito por Lisboa).

Inscreve-teatravés do preenchimento do formulário de inscrição, disponível  nesta ligação ou dos contactos blocoesquerdacascais@gmail.com  /962582535.

Veja Evento no Facebook aqui

Notícias

Numa iniciativa que percorreu desde Faro a Carcavelos, no dia 7 de Julho várias dezenas de ativistas protestaram contra a exploração de petróleo em Aljezur.

Notícias

No dia 21 de abril de 2018, entre as 11 e as 19 horas, decorreram, na sede de Carcavelos, as eleições para a Coordenadora Concelhia de Cascais.  Participaram no ato eleitoral um total de 35 aderentes do Bloco de Esquerda, tendo-se registado 23 votos na lista A (Moção e Lista) e 12 votos na lista Z (Moção e Lista).

Cascais e Estoril

Mercado de Alapraia: Bloco questiona a junta de freguesia sobre o processo da sua requalificação.

 

Na assembleia de freguesia de 19 de dezembro de 2017, no PAOD (Período antes da ordem

do dia) o Bloco, mais uma vez, questionou o executivo da JF da UF de Cascais e Estoril sobre o ENCERRAMENTO DO MERCADO DE ALAPRAIA, sobre a falta de informação no painel identificativo sobre as datas do início e do fim da obra e sobre a situação futura dos/as

comerciantes que aí tinham lojas.

 

 

A Assembleia Municipal de Sintra aprovou a taxa de IMI a aplicar em 2018. O Bloco de Esquerda votou favoravelmente a proposta que, face a 2017, permitirá aos e às munícipes uma poupança de 2,7 milhões de euros.

Verifica-se, no entanto, que a autarquia abriu mão de algumas medidas essenciais para dinamizar a política de habitação no município através do IMI, nomeadamente pelo seu desagravamento nas casas arrendadas ou pela sua majoração em situações de casas degradadas ou devolutas, um recuo que beneficia, sobretudo, os interesses dos grandes proprietários e a especulação imobiliária.